O preço do desenvolvimento….

imageA idéia de ter um dos grandes eventos do cenário musical mundial empolga qualquer ituano que nasceu na cidade e nos últimos anos vê Itu se transformar em um importante centro econômico e social. Grandes clubes de futebol vem treinar nas redondezas, abrigamos a estrutura de um reality show, de festivais renomados como o Xxxperience, somos a cidade dormitório e o fim de semana de paz para grandes executivos e personalidades que fazem a vida na capital….

Mas todo crescimento obviamente tem um preço. É inegável que essa movimentação e desenvolvimento que podemos sentir nitidamente nos últimos anos traz benefícios incontáveis para a cidade. A começar da economia, já que, bem ou mal, todos esses eventos trazem mais pessoas para cá, mais dinheiro, geram mais empregos, etc e tal…. Não vamos entrar no mérito de se o dinheiro chega na mão do povo ou não, porque esse ano tem eleição e vamos ter muito tempo e muitas oportunidades para debater política, ok? A questão central aqui é o preço do desenvolvimento para um morador local. Deixemos a política de lado hoje, senão o assunto não termina essa semana…..

Com o crescimento, vem a necessidade de melhorar a infraestrutura, o que ainda é um problema a ser resolvido, mas também já teve grandes progressos, mesmo sendo alvo de muitas opiniões controversas e críticas (Adivinha qual o motivo? Sim, política…). Com o aumento do poder aquisitivo que toda essa evolução traz, vem também a ampliação do consumo (E ir ao sábado no centro da cidade tornou-se o pior pesadelo de todos os tempos…). A educação precisa ser revista e a Saúde é motivo de orgulho e inconformismo ao mesmo tempo (temos um dos melhores centros de atendimento para queimados da região, por exemplo, mas o setor de atendimento público ainda precisa de muitas reformas). Enfim, uma série de pontos podem ser analisados calmamente, e sempre vamos descobrir muitas melhorias e muitos novos desafios ou problemas decorrentes dessa relação de crescimento.

Mas, como dizíamos, o preço é alto… Por exemplo: se por um lado o povo aqui da nossa terrinha festeja a vinda de um grande festival – no caso, o SWU – para nossa região, o que nos poupa problemas e despesas com transportes e hospedagem, por outro lado o custo da ‘importação’ também é pesado. Os ingressos são vendidos de acordo com o patamar dos artistas. Ou seja, você não vai comprar nada por menos de R$120,00, isso se for bastante antecipado…. Aí você vai dizer, ‘poxa, mas você queria o quê?’… Não sou contra valorizar os artistas, e sei que isso vai sim valorizar também a nossa região. Mas é só uma pequena mostra de que se a renda sobe, os despesas de consumo sobem sim com ela. É a lei natural da economia…

‘Tá bom, Letícia, mas então você pode parar de enrolar e explicar porque o preço do desenvolvimento é alto?’… Posso. Simples. Há 10 anos atrás você podia andar pelas ruas à tarde sem se preocupar se um maluco ia te assaltar, um insano te atropelar ou se tinha esquecido o celular em casa e sua mãe ia enlouquecer por não saber onde você está…. Agora não dá mais. O progresso trouxe também todos os problemas e preocupações das capitais, e o aumento da população parece que transforma o trânsito em caos, o que há pouco tempo não se poderia imaginar por aqui.

Não,  eu não falo sobre uma cidadezinha que ficava no fim do mundo. Só não éramos, até então, um pólo industrial, por exemplo. Mas estamos atraindo olhares de muitos investidores. E volto a falar que isso é bom. Só que está na hora de começar a reverter alguns desses benefícios mais diretamente à população. É difícil? É. Ninguém jamais disse que seria fácil. E também nunca será perfeito, porque isso não existe.

O potencial de crescimento da cidade está apenas dando seus primeiros passos. Temos instaladas aqui importantes empresas do cenário nacional, muito espaço para abrigar projetos inovadores, uma riquíssima extensão rural com produções responsáveis pelo giro econômico desde a era colonial, 400 anos de uma base histórica que mudou o Brasil com a Convenção Republicana e muita vontade de crescer. Mas se alguém não direcionar esse crescimento, vai acabar virando aquele barraco em que uma coisa vai se amontoando sobre a outra e quando se percebe o horror está instalado.

E o que a gente pode fazer para mudar isso? Pequenos gestos e atitudes no dia a dia para que tenhamos uma população mais civilizada, e um voto consciente. “Ah, mas você disse que não ia falar sobre política!”. Não estou falando sobre política. Estou falando de nosso dever como cidadãos, de nosso papel cívico em saber escolher com cuidado nossos governantes para deixar um futuro menos conflituoso às próximas gerações e morrer podendo dizer: “Eu tentei ajudar a melhorar o mundo”……

Isso tudo pode parecer à você um momento se pensamentos desconexos e sem sentido, mas vale a pena refletir sobre isso… Outubro está chegando, e você não vai querer jogar seu voto pela janela…..

2 comentários:

Marcop 4 de agosto de 2010 23:36  

Ééé, Letícia, confesso que estou preocupado com o estado em que vai ficar essa nossa Itu durante e após esse festival.

Letícia 5 de agosto de 2010 00:15  

É, e é preocupante mesmo... Por ser em ano de eleição, será preocupação em dobro, porque o que vai ter de candidato usando isso em campanha.....

Related Posts with Thumbnails
.
Aqui você encontra
Comunicação, música, cinema, arte, publicidade, literatura, entretenimento, mundo e outros devaneios...
.
.
A loucura é uma ilha perdida no oceano da razão.
(Machado de Assis)
.
.