No primeiro dia em Anaheim decidimos que era hora de injetar uma dose extra de magia direto na veia. E quando o assunto é magia e encantamento, nada melhor do que Disneyland, o primeiro parque idealizado por Walt Disney!

Sem mistérios para a programação de hoje:
  • 07:00 – Café da manhã  
  • 08:00 – Disneyland Park
  • 22:00 – Anaheim Plaza


Confere o que rolou e os detalhes de cada atração a seguir no diário de viagem!


DISNEYLAND PARK

Para encarar um mergulho no fantástico mundo de Walt Disney nós acordamos cedo! A ideia era evitar ao máximo o grande fluxo e perder brinquedos devido às filas... Mal sabíamos nós que a mesma lógica das filas que rolou lá na Universal Studios valeria para os parques da Disney. Dica infalível: vá aos parques da Califórnia em Setembro se quiser fugir das filas!

Depois de tomar o café da manhã, deu tempo até de dar uma trabalhadinha básica antes de sair... Eu já tinha feito os cálculos de rotas e ficou mais do que claro que ir de uber e deixar o motorhome no estacionamento do Walmart era bem mais vantajoso. Primeiro porque eram apenas 7 minutinhos e depois porque ia sair mais em conta do que pagar uma diária de estacionamento no parque para o RV. Então lá fomos nós...

Ao chegar na área de desembarque de passageiros, você já sente o movimento se aproximando com os inúmeros visitantes em direção à entrada dos parques. O complexo abriga o Disneyland Park, conhecido comumente como Disneylândia, e também o Disney California Adventure Park, a segunda unidade inaugurada em 2001.

O Disneyland Park foi inaugurado em 17 de julho de 1955 como o primeiro parque idealizado por Walt Disney. Os parques da Flórida surgiram vários anos depois, nos anos 70. Eles começaram a ser planejados por Walt em 1959, após perceber como era possível aumentar ainda mais as possibilidades desse universo mágico de fantasia (se tiver a oportunidade leia a biografia de Walt ou alguma das várias literaturas disponíveis sobre os bastidores dessa história, que é MUITO interessante até mesmo pela visão de negócio do empreendedor).

Fato é que se você já foi aos parques de Orlando, vai achar os da California pequenos. É como se fossem um compilado das melhores atrações que estão na Flórida. Até por isso a outra ponta do país tem um complexo com quatro parques e não dois, como na Califórnia. O tio Walt era um visionário ousado que deu certo =)

Chegando aos portões do Disneyland Park, fizemos a foto que não pode faltar em frente ao prédio principal, passamos a mão em um mapa do parque (e lá também tem aplicativos para te ajudar a se localizar e planejar sua rota!) e partimos para a aventura!



Main Street

Nossa primeira parada foi, logicamente, a Main Street. Essa é a rua que te leva para qualquer uma das oito áreas temáticas do parque e que abriga também o castelo, símbolo máximo da Disney. O melhor dos mundos é que você visite os parques da Califórnia antes de ir para Orlando, assim preserva o risco de decepção com o tamanho deste castelo aqui, pois o e lá é beeeem maior. Mas isso não o torna menos encantador.



Como estávamos em temporada de Halloween, todo o parque estava com a decoração temática da época, o que trazia elementos ainda mais especiais para o clima de encantamento. A universo Disney tem um preparo incrível para transformar a experiência do usuário em algo realmente prático e funcional em qualquer lugar do mundo. A meta é uma só: fazer você vivenciar uma imersão completa, não importante o que deixou do lado de fora do portão.

Passamos pelas lojas, lanchonetes, sorveterias e carrinhos, pelo trilho, Opera House e chegamos até a estátua de Walt e o Castelo. Quase nenhuma fila para as fotos oficiais, que não tiramos. Preferimos as nossas selfies. A posição do sol não ajudou muito no horário, mas ficou boa do mesmo jeito.
De lá, seguimos para a primeira entrada do lado esquerdo para desbravar a Adventure Land.


Adventureland

Trazendo consigo a temática das aventuras na selva, a Adventureland conta com três atrações principais:
  • Jungle Cruise: um passeio pelo rio selvagem, onde você poderá conhecer as criaturas que habitam na floresta e conferir o cenário criado especialmente para dar vida à atração. É quase como uma montanha encantada ao ar livre, onde a animação fica por conta do piloto do barco. Serve como uma daquelas atrações para dar uma descansada básica e incorporar a magia Disney.
  • Indiana Jones Adventure: de longe a melhor da área! Com um trajeto gigantesco para abrigar as filas infinitas em períodos de alta temporada, pra nós os corredores de tornaram praticamente parte da aventura como uma jornada quase infinita para chegar até a atração, hahaha... Mas o legal é que o cenário é todo criado para representar sua entrada em uma caverna de exploração típica dos filmes de Indiana Jones. O brinquedo em si é um simulador em que você acompanha Indi em uma fuga/perseguição pelas cavernas arqueológicas que dão tom à saga do herói. Mas a simulação é fantástica e vira quase um misto de simulador com mini-montanha-russa, com direito à caminho de ré! Se você curtia os filmes, vai amar este brinquedo e sair dele querendo repetir. Entrou na minha lista de favoritos do parque e ganhou bis!
  • Tarzan’s Treehouse: atração basicona em que você pode explorar uma casa na árvore e dar uma volta completa nas alturas. As crianças curtem. Nós queríamos coisas um pouco mais cheias de adrenalina, então pulamos... rs..

New Orleans Square

Saindo de Adventureland você já emenda a continuação da jornada em New Orleans Square, uma área mais focada na Louisiana do século XIX. Por lá o roteiro inclui:
  • Pirates of the Caribbean: é um misto de montanha encantada com splash-no-escuro. Vale a pena para curtir os cenários e tem duas quedas quase inesperadas que podem molhar os desavisados de plantão. É light mas curtimos. Super completa e com trajeto longo, então dá para aproveitar bastante.
  • Disneyland Railroad: alerta de pegadinha!!!! E nós caímos feito dois patinhos hahahaha... O railroad nada mais é do que um trem que circula ao redor do parque para facilitar sua locomoção. Nós, na ânsia de gabaritar atrações, entramos desavisados achando que ele dava a volta completa e pronto. E é isso, só que não é direto.. Ele vai parando de área em área para servir como um transporte alternativo para quem não quer andar tanto. E foi assim que saímos de New Orleans Square e fomos parar em Mickeys Toontown.... aí tivemos que voltar andando em direção à Main Street e de volta à New Orleans para completar a área... Nessa brincadeira perdemos uns vinte minutos, gastamos pernas e ganhamos certificados de “patetas”.
  • Haunted Mansion Holiday: única atração em que pegamos uma fila considerável... É a mansão assombrada de Jack, do Estranho Mundo de Jack. Só o jardim da casa já é uma atração à parte, todo decorado para o Halloween. A atração é uma montanha encantada avançada, em que o carrinho gira e há uma infinidade de efeitos e luzes para criar o clima perfeito, tudo muito caprichado. Atração light, pra descansar e apreciar.



Critter Country

News Orleans te conecta diretamente com a área Critter Country, uma versão meio “oeste” do parque, em que a atração principal é basicamente o Splash Moutain. E a queda é alta, hein! Você entra pensando que é só mais um splashzinho, mas é quase uma montanha russa na descida. Maurício saiu encharcado, hahaha.. Eu molhei só o tênis.



De lá demos a volta no lago e seguimos para Frontierland.


Frontierland

Pensamos que era melhor ir ao Big Thunder Moutain Railroad antes de almoçar. Então encaramos a montanha russa sem pensar muito. Leve, deliciosa e com a dose certa de aventura.



De lá, paramos no Stage Door Café para almoçar. O prato da vez foi.... frango! Mais uma vez hehehe... E para felicidade do Maurício azarado, apimentado de novo kkk... Estava bem tranquilo o movimento, então nossa missão foi encontrar uma mesa na sombra para almoçar com vista para o Rivers of America e os barcos Mark Twain e Columbia. É nessa área que acontece o Fantasmic, a apresentação do Mickey com luzes e água ao cair da noite.




Star Wars Galaxy’s Edge

Almoçados, partimos para uma das áreas com mais expectativas: The Star Wars Galaxy’s Edge. E ao chegar lá, deu pra ter uma certeza: nem precisava ter brinquedo nenhum... Só a vila e o cenário já são, por si só, a melhor atração que Star Wars poderia proporcionar para quem acompanha os filmes.




Stormtroopers circulam pela vila todo o tempo, interagindo com os visitantes. E de hora em hora aparece também o Darth Vader... O que torna tudo ainda mais real. É absolutamente encantador... E pra completar o cenário, as naves... Estão todas lá, incluindo a Millenium Falcon! E a imersão fica ainda mais completa na fila da atração Smugglers Run, uma mistura de jogo e simulador em que você recebe uma carta e deverá assumir uma das quatro posições na nave para combater na galáxia. Cada um tem suas instruções específicas e função. Nós caímos na mesma nave de uma mulher totalmente vi-ci-a-da em Star Wars... Ela parecia estar em outra dimensão e quase terminou o namoro porque o respectivo parceiro não apertou os botões como deveria durante a simulação, hahaha...



A outra atração principal, Rise oh the Resistence, inaugura só em Janeiro de 2020, então ficamos passando vontade... Dizem que será uma das mais inovadoras atrações do parque...



Depois de completarmos os brinquedos, ficamos passeando mais um pouco pela vila e compramos uma água galáctica. Aliás, os restaurantes por lá estavam bastante competidos e com muita fila, porque afinal, não é todo dia que você pode almoçar em uma galáxia muito muito distante, não é mesmo?


Tomorrowland

Terminada a saga em Star Wars, começamos a caminhar para chegar até Tomorrowland... No caminho, uma parada básica para um sorvete do Mickey, que não poderia faltar.

Já na terra do futuro, começamos a aventura por uma atração do Star Wars que ficou perdida na área antiga por existir desde antes que a nova seção temática fosse criada. O Star Wars – The Adventure Continue tem uma fila toda preparada para a aventura, simulando os corredores tecnológicos das naves que te conduzem até um simulador de um vôo nas galáxias. Cabe bastante gente, então quase não se pega fila.

E lá fomos direto para a Hyperspace Moutain, uma montanha russa no escuro cheia de luzes e bem veloz. Uma delícia, daquelas que dá vontade de repetir.



Depois, pra relaxar, resolvemos ceder ao espírito Toy Story e fomos ao Buzz Lightyear Astro Blaster, que é uma mistura de montanha encantada com tiro ao alvo, em que você deve acertar os pontos chave em cada um dos cenários e competir com seu colega ao lado em que pontua melhor. E foi aí que eu dei uma surraaaaa de pontos no viciado em games que é o meu irmão.. Uma pena eu não ter sido rápida o suficiente para tirar foto do placar....


Fantasyland e Mickeys Toontown

Tirando nosso erro grotesco em pegar o Railroad e ir parar por acidente em Toontown, não passamos por essas suas áreas porque elas são exclusivamente infantis. Então não compensava o tempo ali se poderíamos investir em outras atrações.

Maaaaas, numa dessas passagens eu tirei foto com a Bela... rs



Eletrical Parade

Já cansadinhos de tanto andar (foi nos parques que tivemos alguns dos dias com mais passos contabilizados, girando em torno de 20 a 30 mil/dia), fomos às compras nas lojinhas da Main Street... E obviamente que eu não resisti à uma caneca da Úrsula... Apesar de querer muito uma da Malévola e não encontrar do jeito que gostaria.

Depois resolvemos pegar um sorvetinho e uma limonada e sentar na Main Street próximo aos melhores lugares para curtir a Eletrical Parede. Ainda era cedo, mas pelo menos não precisaríamos andar milhas e milhas até lá no horário... Mas a multidão logo começou a se formar e aos poucos fomos nos encaixando em um cantinho onde fosse bacana enxergar o desfile dos carros iluminados.

Aí enquanto o tempo passava rolou uma integração brasileira-americana-venezuelana.... Sempre que os rádios liberam algum recado no parque, o locutor fala sempre em inglês e na sequencia em espanhol. Lembro de ter repetido uma palavra em espanhol, meio que por graça, e o senhor à minha frente repetiu e explicou seu significado em inglês. Ele era venezuelano... E foi com essa deixa que puxamos um papo ali de quase meia hora com ele e a esposa. O detalhe é que o papo rolou meio em inglês, meio em espanhol e meio em português... hahaha.. Falamos de tudo um pouco, país, comida, política... Foi legal...

No horário em ponto toda a Main Street se apagou e a parada começou com diversos personagens da Disney se revezando em fila, desfilando graça e luzes que refletiam magia nos olhos do público.



Quando a parada terminou, ainda dava tempo de pegar o Fantasmic em Frontierland!


Fantasmic  

E foi aí que o bolo desandou... Imagina todo mundo que estava na Main Street tentando fazer a mesma coisa! Claro que não deu muito certo! A equipe do parque criou uma espécie de rotatória humana para tornar o fluxo mais amigável, mas não adiantou muita coisa não.. Se todo mundo seguisse a lógica até funcionaria, mas o problema é que seres humanos gostam de complicar e contrariar regras e “jeitinho” não é exclusividade de brasileiro.

Depois de algum custo, chegamos à um ponto de Frontierland onde foi possível acompanhar um finalzinho do Fantasmic. A dança das águas e luzes comandada pelo Mickey Magic também exerce um certo poder de hipnose. Os caras sabem como fazer um espetáculo...

Quando Fantasmic terminou, a mesma multidão que se arrastou até ali e a que já estava ali antes começou uma nova saga em direção à Main Street com dois objetivos distintos: ir embora ou se posicionar para acompanhar a terceira apresentação da noite: os fogos de Halloween.


Fogos de Halloween

Já é tradição a queima de fogos sobre o castelo, mas aqui não rolam as projeções como em Orlando. O espetáculo fica por conta dos fogos no céu. E como a temporada de Halloween começava exatamente neste dia, todo mundo queria ver um pouquinho da magia temática no céu... E a briga por um lugar estava acirrada...

Como nós estávamos bem cansados, eu já tinha visto esse mesmo show em Orlando e o Mau não fazia questão, demos uma enrolada, passamos no banheiro e fomos para a saída... Já eram quase dez da noite e outro parque nos aguardava no dia seguinte.

A saída do parque dá acesso à um enorme complexo de lojas e restaurantes que fica sempre à disposição de quem está hospedado no resort ou dos visitantes que ainda tem pique para gastar após o dia no parque. As atrações de rua já estavam finalizadas, então era entrar em um restaurante comer ou ir embora.. Não tínhamos fome, logo fomos embora...

E o caminho até um ponto em que pudéssemos pegar um uber foi longo.. Com as pernas e pés cansados, eu diria que foi quase infinito, rs. Chamamos nosso cavaleiro negro em frente ao hotel do resort e em menos de dez minutinhos estávamos de volta ao Anaheim Plaza.

E que felicidade no coração ver que nosso motorhome ainda estava lá (e nosso vizinho motorizado também)! Fomos para o merecido descanso, vencidos por muitos e muitos passos, sol, calor e a pressa por descanso antes que continuar a jornada no dia seguinte: o Disney California Adventure Park nos aguardava!



-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

ROTEIRO COMPLETO >> Para conferir o relato completo navegue pelo roteiro AQUI
FOTOS >> Para ver mais fotos espie os destaques no meu perfil do instagram: @leticiaspinardi